Nova empresa investe na compra de dívida podre

Uma empresa de investimentos inovadora, a Brasil Distressed (BrD), compra créditos com pagamentos em atraso, mas somente aqueles com deságio mínimo de 50% com relação ao valor de face e tomados por empresas de faturamento não menor do que R$ 50 milhões. Crédito podre das pessoas físicas não lhes interessa.

Tendo em vista que o Brasil virou grau de investimento e os prêmios de risco caíram, os sócios foram buscar emoção no mercado de dívida ‘distressed’. O objetivo é conseguir, para compensar o risco, rendimentos de 200% a 300% dos juros dos Depósitos Interfinanceiros.

O grande diferencial da BrD com relação a outros compradores de crédito inadimplente corporativo é que a empresa vai focar em valores de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões, na média, podendo chegar a R$ 500 mil.

De grão em grão, em três meses de existência a BrD já adquiriu um total de R$ 30 milhões de dívida considerando-se seu valor de face. “Nossa ideia era buscar recursos de terceiros somente em 2012, mas agora percebemos que precisaremos nos antecipar dado o interesse que o nosso negócio atraiu”, diz Catraio, um dos sócios.

Os dois executivos se inspiraram no mercado americano para trazer inovações ao Brasil, mas não sem a devida adaptação ao mercado nacional. Foi a nova lei de recuperação judicial que abriu espaço para o negócio que eles estão levando à frente agora.

A empresa compra esses créditos com um deságio, mas o fornecedor, banco ou fundo de investimento credor recebe o dinheiro na hora. Há duas vantagens para o vendedor. A primeira, óbvia, é a antecipação do caixa - ele vai receber hoje uma dívida que receberia em muitas parcelas depois. Há também vantagens fiscais.

Ao vender a dívida, a perda com ela se torna dedutível para Imposto de Renda. Se não vendesse, só poderia deduzir após esgotadas todas as possibilidades legais, o que, dada a morosidade da Justiça, levaria anos.

Ele frisa que a BrD não pretende comprar nenhuma participação acionária na empresa devedora, como acontece com fundos que têm surgido no mercado para investir em “equity distressed”. Também não pretende gerir a empresa devedora de nenhuma forma. Pode, no entanto, comprar carteira de ativos.

O mercado de interessados no crédito podre cresceu com a procura crescente por rendimento dos investidores, mas também devido à oferta crescente desse tipo de ativo após a grave crise financeira e de crédito de 2008 e 2009. “Só compramos crédito inadimplente de empresas nas quais vemos capacidade de recuperação”, diz Catraio. “Os créditos podres demais não nos interessam”, conta.

Após construir um histórico de rentabilidade, a ideia é vender esses créditos a terceiros. Os sócios ainda não avaliaram, no entanto, se vão usar uma securitizadora como veículo para a venda ou se vão atuar por meio de FIDCs, os fundo. (Fonte: Valor Econômico)

Anuncio um ato de amor pela vida