Corpo de vereador assassinado em Duque de Caxias será sepultado no Cemitério do Pilar

A Câmara Municipal de Duque de Caxias distribuiu comunicado informando que o corpo do vereador Alexsandro Silva Faria (o Sandro do Sindicato - Solidariedade) chegará nas primeiras horas de quinta-feira (14/10), para ser velado em uma das capelas do Cemitério Nossa Senhora do Pilar, estando previsto o sepultamento para às 10h, obedecendo aos protocolos sanitários, por conta da pandemia do novo Coronavírus.

Sandro do Sindicato, que desempenhava seu primeiro mandato, tinha 42 anos e era diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil, Montagem Industrial, Mobiliário, Mármore e Granito e do Vime de Duque de Caxias (SITICOMMM-Caxias). Ele foi morto a tiros de fuzil na manhã desta quarta-feira, em uma van na Estrada do Pilar. Sandro se deslocava para a Refinaria Duque de Caxias, onde representava os trabalhadores através do SITICOMMM. O parlamentar era montador de estrutura metálica. O caso foi registrado na 60ª DP (Campos Elíseos), mas a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) assumiu a investigação. Este é o terceiro vereador assassinado este ano na cidade.

Leia também: Audiência pública discute a situação do transporte público em Duque de Caxias

Em 2021, o Instituto Fogo Cruzado mapeou sete políticos baleados na Região Metropolitana do Rio: seis morreram. Dos sete baleados, cinco casos foram na Baixada Fluminense: todos morreram. Agora, chega a 26 o número de políticos assassinados no estado desde 2018. De acordo com a polícia, boa parte dos crimes tem relação com disputas que envolvem milícias.

Câmara cobra ações às autoridades 

Corpo de vereador assassinado Presidente Celso do Alba Art Video Lucas CastelliAinda na tarde da morte do vereador, o presidente da Câmara Celso do Alba (MDB) realizou uma reunião em seu gabinete com parlamentares que compõem a Casa Legislativa, para discutir medidas a serem tomadas após mais esse crime que atingiu o Legislativo e a população do município. Pouco depois, por volta das 15h, acompanhado dos colegas, o presidente concedeu entrevista coletiva no Plenário Vilson Campos de Macedo. Este, que empresta o nome ao plenário da Casa Legislativa, também foi vereador, chegou a presidir a Câmara e também assassinado na década de 80.

Na coletiva, Celso do Alba procurou esclarecer as medidas que serão tomadas a fim de garantirem a segurança e a integridade física dos vereadores, com o envio de ofícios cobrando das autoridades policiais e do Governo do Estado respostas para os ataques que o Legislativo vem sofrendo nos últimos meses, cujas mortes ainda não foram devidamente esclarecidas. Além dos vereadores, estavam presentes secretários municipais que são vereadores licenciados, como Eduardo Moreira, Serginho e Marcos Tavares.

O presidente Celso do Alba lamentou as mortes e respondeu às perguntas dos veículos de comunicação, abordando, além da segurança pessoal dos vereadores, a violência na Baixada Fluminense e ações das Polícias Civil e Militar para elucidarem os homicídios. O presidente chamou de “ataque à democracia” a violência contra os vereadores e disse que toda a Câmara está preocupada e que, por isso, o Legislativo decidiu por encaminhar ofícios ao governador Claudio Castro e ao Ministério Público solicitando o acompanhamento dos casos que, até o momento, não foram esclarecidos, embora tenham tido grande repercussão entre os moradores.

Celso lembrou que nos últimos dez meses, foram mortos três vereadores: em março, o vereador, Danilo Francisco da Silva, o Danilo do Mercado (MDB) e o filho Gabriel da Silva, de 25 anos; em setembro Joaquim José Quinze Santos Alexandre, o Quinzé (PL) e agora Sandro do Sindicato.

Celso do Alba disse que a Comissão de Segurança da Câmara irá acompanhar as linhas de investigação e que a segurança dos vereadores será reforçada a fim de coibir as ameaças que alguns têm recebido. Ressaltou que a Casa irá se reunir com o comandante do 15º Batalhão da Polícia Militar - que esteve presente à entrevista coletiva - para discutir questões como o aumento de efetivo nas ruas e de implantação de sistemas de segurança por câmeras de monitoramento de modo a facilitar o trabalho das polícias.

Com o falecimento do vereador Sandro do Sindicato (Soliariedade), Alex Freitas, que no início do ano, assumiu a vereança como suplente de Marcus Vinícius Boquinha - atual secretário municipal de Assistência Social e Direitos Humanos - assume definitivamente a cadeira de vereador. Como sua suplente, deverá ser convocada nos próximos dias Andrea Conselheira.

MEDCOR Exames Cardiológicos
MEDCOR Exames Cardiológicos