Sacerdote Nigeriano recebe homenagem do vereador Catiti

  • Publicado em Matérias

Estrangeiro recebeu reconhecimento pelos relevantes serviços prestados no intercâmbio cultural Brasil x África

Na terça-feira (23/2), a Câmara Municipal de Duque de Caxias prestou homenagem com moções de aplausos ao sacerdote nigeriano Kabiesi Sangokunle Awurela, por proposição do vereador Catiti (AVANTE).

O estrangeiro recebeu este reconhecimento devido aos relevantes serviços prestados por ele no intercâmbio cultural Brasil x África, colaborando com o engrandecimento e resgate de tradições e valores da matriz africana.

Além de Catiti - que presidiu o evento - a solenidade contou com a presença dos vereadores Moisés Neguinho (PMB), Sandro do Sindicato (SD), Quinzé (PL), Drª Fernanda Costa (MDB), Michel Vila Nova (PSDB), Marquinho Dentista (DEM), Nivan Almeida (PT), o líder do Governo na Câmara Municipal, Valdecy Nunes (PATRIOTA) e Júnior Reis (MDB) - que representou o prefeito Washington Reis (MDB) na cerimônia. Integrantes do Instituto Afro-cultural Ojuobá Axé, Sharlene Rosa, representando a Secretaria Municipal de Assistência Social e amigos do agraciado, também marcaram presença.

Leia também: Bolsonaro cita possibilidade de novas trocas de comando

“Com essa homenagem ao Kabiesi, com certeza Caxias escancara as portas para que possamos fazer através da Cultura, um dos maiores intercâmbios culturais. A igualdade precisa emanar para todos! Não podemos ser diferenciados pela cor da nossa pele, isso não nos trona diferente, nem melhor e nem pior. Porém, é preciso que a discriminação acabe. E nós só queremos uma palavra: Respeito!”, desabafou o vereador anfitrião, Catiti.

Catiti também disse que Duque de Caxias tem um governo que se volta para o povo que clama por oportunidade e respeito, além de registrar a importância de ter, nesta 19º Legislatura, o maior número de parlamentares negros da história. Ele frisou, ainda, que a Câmara luta pela defesa dos interesses da população negra caxiense e explicou mais uma vez a importância da homenagem para o nigeriano. “Esse é um grande passo. Vamos adquirir mais conhecimentos e também servir de exemplo para as Casas Legislativas de todo o Brasil”, almejou.

“Estou aqui no Brasil buscando a minha origem brasileira. Represento a África aqui, porque quero que todos saibam que este é o melhor país do mundo! Desejo que as pessoas que seguem as religiões de matrizes africanas saibam que essas religiões são culturais. É claro que também somos cristãos e eu estou aqui como rei cultural da religião de todos. E na hora que o meu povo pobre precisar de mim, eu estarei aqui para eles. Obrigado pelo apoio que essa Casa está dando para o meu trabalho. Obrigado por tudo”, agradeceu o sacerdote Kabiesi Sangokunle Awurela.

Entenda a história de Kabiesi Sangokunle Awurela:

O sacerdote atua no Brasil como padre Sangre e professor de Yorubá – sua língua materna - há mais de 25 anos. Antes de pisar em solo brasileiro, liderou o contingente internacional para a semana da juventude de Abuja, onde sua trupe ficou em primeiro lugar na competição dramática. Ainda na Nigéria, ele foi originalmente iniciado por Mama Sangofunmilayo Awurela a.k.a Nifa Iya Iya Sanger no estado de Oyo, na Nigéria. Chegou a libertar várias da escravidão espiritual no país dele e no exterior, o que lhe rendeu muito respeito e o destaque entre outros tradicionalistas em todo o mundo. Todas essas e várias outras atividades também lhe renderam o título de "Kabiesi" por outros tradicionalistas do local, ou seja, Kabiesi Sango, significa que ele realmente representa Sango Olukoso - um rei no antigo Império de Oyo.